Início

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

E-mail do Internauta: Realidade Gay brasileira (Direito de resposta)


Ontem (27/01) foi postado um e-mail sobre a realidade brasileiro sobre os gays (leia como foi) por Xisto, como somos um blog democratico posto agora o direito de resposta do Gospel, contrario ao do Xisto.

Discordo desse e-mail em gênero, número e grau! (e-mail do Xisto). Na verdade a linha de raciocínio seguida à crítica da promiscuidade ou sexo frágil está sustentada no conceito heteronormativo da sociedade cristã.
Na verdade, é um grito do superego condenando com forte repressão o desejo, e sua satisfação, ou busca.Envergonho-me da sociedade não por ser eu gay, e fazer pegação, envergonho-me dos homossexuais, aqui em BH, onde moro, por muitos repetirem os conceitos homofóbicos de igrejas cristãs, de família 100% certa, honesta e feliz e do preconceito internalizado.
Malhado, bonito e de pauzão que quiser transar comigo, ficarei profundamente lisonjeado, até porque, o meu corpo é sagrado, e à prática religiosa, tem por tradição que se toquem no sagrado. Enfim, não será eu que mudarei os costumes (rsrsrsrs). Foucault dizia de inventar um jeito de ser homossexual sem, necessariamente, conformar-se com o discurso heterossexual que todo gay é promíscuo.

Quando o gay supera o conceito de promíscuo ele se liberta, e a questão do HIV nesse discurso do e-mail é mais uma PUNIÇÃO ao ego, de caráter quase que místico do que um protesto verdadeiro e de significados, de fato, sinceros...Lamentável que exista pessoas tão abitoladas, isso é mesquinhez, pequenez. Falta senso, falta verdadeiro valor, sobrou pragmatismo.


By - Gospel

6 comentários:

simaria disse...

oiee amore vc tem msn se tiver coloca no blog amor

simaria disse...

oie amore se kiser me add no msn simaria.muido@hotmail.com

Sr. S disse...

pequena nota:Acho tosco o ato de reduzir a psicanálise a uma "psicologia do Id, Ego e superego".[ aconselho ler de verdade e depois voltar aqui usando como recurso termos técnicos psicanalíticos]. os psicólogos e psicanalistas de plantão agradecem. =]

....MINHA opinião....

Da mesma forma que podemos entender a crítica à promiscuidade como "um grito do superego condenando com forte repressão o desejo", podemos entender a promiscuidade como a INCAPACIDADE DO EGO de adequar esse desejo ao ambiente em que está inserido. Ainda podemos entender a promiscuidade como UM MECANISMO DE DEFESA que impede o indíviduo de assumir um relacionamento sério com medo da frustração. Ou seja, promiscuidade não deixa de ser uma disfunção psicológica. Ir além do conceito de promíscuo talvez não seja a melhor saída para se libertar da mira do "dedo acusador da sociedade".

Essa "incapacidade do ego" de adequar os desejos às normas sociais vigentes é sim um problema... e um problema que realmente faz com que a homosexuaLIDADE seja tão mal vista..É bobagem pensar que podemos negar nossas raízes, nosssa ideologias e crenças que são construídas socialmente. Felizmente ou/e infelizmente a sociedade é parte da nossa constituição. "Não é negar, é reconstruir". E um processo de reconstrução exige que "crenças injustas" sejam quebradas através da confrontação com a realidade, porém quase sempre que vou a algum banheiro de shopping, parque municipal ou lugarejo deserto e escuro me deparo com pegações, sexo explicito e etc[ que, aliás, é crime]. Então será mesmo justo que a sociedade não pense em libertinagem ao pensar em homossexualidade? Talvez seja essa propaganda que fazemos ao tentar vender nosso peixe.

Estamos pisando em um solo machista, tradicional, cristão... Isto não dá para negar, da mesma forma que simplesmente nã dá criar e viver uma realidade paralela.Então se quisermos um dia alcançar igualdade diante de todos agir como se não houvesse uma estrutura social vigente não é o caminho adequado. O adequado seria se entender as demandas sociais e construir uma identidade GLBT a partir das mesmas. ISTO É PRAGMATISMO:entender como as coisas funcionam no "Tête à tête"e colocar em ação... citar Foucault e Freud não o é. "palacras bonitas impressiona, mas não funciona". Não é chocando, transgredindo, peitando que alcançaremos o direito de igualdade.

Existe promiscuidade sim, e isso é ruim tanto para os héteros quanto homossexuais... eu não participo de pegação aqui em BH, não me exponho nú em msn, não vou para cama com qualquer cara que pisque para mim ou aperte o saco no meio da rua... e isso não é por me achar sagrado, mas por achar que não sou profano, não sou sujo.. eu tenho meu valor... não sou um disque pizza. Me respeito... acho que isso é me respeitar... não sou um boneco inflável ou um dildo qualquer, daqueles que vc só obtem prazer e guarda no fundo da gaveta. Não quero ser alguém que penetra ou é penetrado por alguém que nem sequer sabe meu nome.. não sou uma coisa, sou ALGUÉM.

quanto ao trecho "o meu corpo é sagrado, e à prática religiosa, tem por tradição que se toquem no sagrado" --- eu penso diferente: as praticas religiosas que eu conheço tem por tradição que O SAGRADO SEJA RESPEITADO.


E antes de ser Homossexual eu sou um indivíduo que tem o direito de emersão na sociedade que eu vivo sem trasngressão recorrendo a transformação.

Enfim... é um assunto delicado, que exige muita informação para ser discutido,não apenas paixão ou identificação. Isso traz a necessidade de criar argumentos realmente válidos e não apenas plásticos.

Xisto Lopes disse...

Respeito sua opinião, uma pena a minha não ter sido respeitada...

Gospel disse...

Pelo contrário Xisto, respeito sua opinião, mas tento te mostrar um outro lado, não quero te constranger nem discordar sendo maldoso, mas apenas mostrar que a promiscuidade não precisa ser exorcizada, que é possível sim conviver com o diferente, basta lagar certos conceitos ou não inferí-los de forma pejorativa, pois há aqueles que vivem da forma que vc condenou, mas que gostam e que, de fato, não merecem mais preconceitos, daqueles que já sofrem, simplesmente por questões de padrões morais- estou propondo, entretanto à ética. Mas, respeito sim o que vc disse, é sua opinião!

Sr. S disse...

Opiniões são construídas a partir de algo... e a minha foi a partir da sua opinião.

Como o post se chama "a Realiade Gay Brasileira", tanto a minha como a sua contribuem e enriquecem à discussão e mostram pontos de vistas diferentes que surgem de realidades diferentes. =D