Início

sábado, 23 de janeiro de 2010

Zorra Total um humor homofobico




"O cara vai a igreja para se confessar:
- Meu filho, quais são seus pecados?
- Padre, eu comunguei há três anos.
- Ok, meu filho, e quais são seus pecados?
- Eu comunguei há três anos.- Esta bem meu filho, eu sei que você comungou há três anos. Isso não é pecado! Conte-me seus verdadeiros pecados.
- Padre, estou lhe dizendo: EU COMO UM GAY HÁ TRÊS ANOS!!!!!!!"

Você achou engraçado? Eu não, são essas piadinhas, sem graça e homofobiacas, que são feita no "Zorra Total" todos os sabados.
O humor da tv brasileira explora a figura do homossexual como fonte de risada e homofobia em plena rede nacional. Durante muitos anos o programa "Zorra Total" vem com quadros humoristicos relacionado a homossexualidade como fonte de divertimento para os seus telespectadores, quem não se lembra do quadro quado Lúcio Mario Filho interpretava o personagem Alfredinho no programa ao lado de Jorge Dória, o filho homossexual afeminado e futil que só pensava em homens e mais nada, e no final do quadro seu pai terminava com um bordão "aonde foi que errei". Errou? Errou onde, ser gay é um erro para um pai ou uma familia, quer dizer a Rede Globo durante muitos anos vinculava para a socidade brasileira que o homossexual é o grande erro em uma familia.


Para tempos atuais ainda continua o mesmo no programa Marcius Melhem interpreta o filho Frescone, ja começa pelo nome generalizando que todo gay é fresco, que tem um mãe que sabe que seu filho é homosexual e se faz de desintendida, mostrando a todo mundo que a mãe não aceita como o filho é, um gay. A impressão que passa nesse quadro que a figura materna preferia ver seu filho infeliz do que gay.


Esse tipo de humor existe na vida real, mas que não é humor mais sim um drama, filho é gay e o pai e a mãe não aceitam, de uma maneira de outra a tv influencia na vida de algumas pessoas, quadros que tem uma homofobia camuflada fazem sucesso derivada do machismo e rejeição ao gay em nossa sociedade.


Na maioria das vezes o gay é interpretado de maneira afeminado e que tem apenas a inteção de ter um homem e transar, como diz o Severino o porteiro do Zorra, uns dos princiapais personagem do programa, com seu classico bordão "isso é uma bichona". É que querem mostram as bichonas, sem amor, sem sentrimento e sem opinião.
by Fernando Maranhão - TvHG

1 comentários:

Mexicano disse...

Excelente matéria! E o engraçado é que hoje mesmo liguei a tv e estava passando Zorra Total... não aguentei nem 5 minutos desse humor homofóbico e me pus a pensar exatamente em como esse tipo de humor (que não me causa nenhuma graça) acaba influenciando a nossa sociedade!
Parabéns