Início

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Brasil começa a desenvolver turismo gay


Na passagem 2010/2011, transformações efetivas na área dos direitos civis trouxeram alegria e amparo legal aos homossexuais.

No Brasil, casais do mesmo sexo podem agora declarar juntos o Imposto de Renda; na Argentina, a união gay foi oficializada; e, nos EUA, integrantes das Forças Armadas estão, agora, livres do fantasma da discriminação, independentemente de manifestar preferências sexuais.

No setor de viagens, já há algum tempo, o mercado GLS não para de crescer e tanto agências como órgãos de fomento turístico oferecem informações em páginas on-line e guias especialmente voltados para esse público.

Em outubro, na Feira das Américas Abav 2010, realizada no Rio, um passo importante foi dado no turismo GLS no Brasil. A Abrat GLS (Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Simpatizantes) e a Embratur assinaram um acordo para divulgar o Brasil GLS lá fora.

A primeira ação será em março, na ITB, em Berlim, uma das principais megafeiras mundiais de turismo. De acordo com Almir Nascimento, presidente da Abrat GLS, haverá um estande no setor GLS do evento. "O turismo internacional trabalha essa segmentação de públicos e estamos seguindo esse movimento", diz Nascimento.

Sobre as conquistas do ano passado, ele é cético: diz que "foram boas, mas pontuais". "Ainda estamos engatinhando no Brasil."

De fato, empreendimentos hoteleiros "hetero friendly" -voltados à comunidade gay e que recebem héteros- ultrassofisticados, uma realidade em Buenos Aires, Nova York e Barcelona, onde há hotéis da rede Axel, não existem no país; e nem se sonha por aqui com resorts como o The Royal Palms, de Fort Lauderdale, Flórida (EUA).

Mesmo no Rio, não há hotéis exclusivamente gays. Em São Paulo, onde ocorre a maior Parada Gay do mundo, demorou a surgir um posto oficial de informações voltado para os homossexuais.

Mais informação
Inaugurada em 2010, essa primeira CIT (Central de Informação Turística) GLS paulistana é uma parceria de SPTuris, São Paulo Convention&Visitors Bureau, Cads (Coordenadoria de Assuntos de Diversidade Sexual), Abrat GLS e Casarão Brasil.

O espaço, voltado ao público LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais), recebe cerca de 15 pessoas por dia, segundo Annabella Andrade, funcionária do estabelecimento.

A maioria dos turistas que procuram o local, um portãozinho no número 1.057 da rua Frei Caneca (região central), são da América Latina e da Europa. Muitos buscam informações por telefone ((11) 3101.4155) e por e-mail (info@abratgls.com.br).

Dois atendentes bilíngues ficam no chamado Casarão Brasil --ali funciona ainda a sede da Abrat GLS.

No principal panfleto distribuído pela CIT, em mapas turísticos que focam o centro paulistano, a região da Paulista e o bairro de Pinheiros, há dicas de bares, restaurantes, casas noturnas e saunas.

Descubra nesta edição de Turismo da Folha tendências, eventos, baladas, destinos turísticos e dicas "hetero friendly" que, cada vez mais, ocupam espaço nos sites de órgãos oficiais de turismo de países como a França e o Reino Unido.

Fonte: Folha

1 comentários:

Madison disse...

Gay-friendly cidades são primeiro na lista para desfrutar de nossa lua-de-mel. Nós planeamos desfrutar desta etapa de nossa vida em Brasil. Nós estamos considerando Natal ou Bahia. Não nós decidimos ainda, mas seus conselhos nós ajudarão. Obrigado!
Madison Compton - Reserva Hoteis Brasil - Brasil Passeios