Início

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Deputado Ratinho Junior (PR) diz ser contra casamento gay e que não quer que filha veja dois homens se beijando


Em entrevista para a rádio Band News na última sexta-feira, o deputado federal Ratinho Junior reeleito pelo Paraná falou sobre diversos temas e se manifestou contra o casamento gay e a liberdade de expressão dos homossexuais. Filho do apresentador Ratinho, o político já participou da Frente Parlamentar LGBT pela Livre Orientação Sexual, hoje Frente Parlamentar pela Cidadania GLBT, mas afirma que não gostaria que uma de sua filha presenciasse dois homens se beijando em praça pública.

“Não sou homofóbico. Eu tenho amigos entre os GLTs. Tenho princípios cristãos. Não podemos segregar ninguém. Temos de respeitar a todos, a todas as opções. Mas não sou a favor do casamento homossexual. Casamento é uma questão religiosa. A discriminação deve ser banida. Mas não podemos confundir liberdade com libertinagem. Eu tenho filhas. Eu não quero que a minha filha de sete anos veja dois homens se beijando em praça pública. Isto eu não quero para a minha filha. Eu fiquei fascinado com a questão do aborto sendo discutida pelos políticos. Tenho posição a favor do ser humano e as pessoas devem entender que os políticos têm posições, sim. Devem deixar bem claro os seus posicionamentos para que a população os conheça bem. O Projeto de Lei 122 torna crime a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero. Eu sou a favor disto, mas há muitas outras coisas a serem discutidas, porque o projeto também fala sobre casamento gay e eu sou contrário a isto. Acho que pode haver uma união civil. Isto sim. Eu sou a favor de jamais desrespeitar a opção sexual de qualquer pessoa. Mas reforço as leis e a família como pontos fundamentais para se manter uma linha de conduta, de ordem no país”, afirmou o jovem político de 29 anos.

7 comentários:

Miguel disse...

Que falta de respeito.

Miguel disse...

Que falta de respeito.

Dal disse...

Fico aqui imaginando: e se de repente no futuro, uma de suas filhas precisarem da aprovação de qualquer lei que beneficie os homossexuais?... A vida é cheia de ironias...

®ËßËWÐË disse...

acho que o fator preconceito a respeito da uniao civil entre pessoas do mesmo sexo é exclusivamente a forma de abordagem do assunto. Se alterarmos a forma de mencionar esse "casamento gay" para uniao civil entre homossexuais a ação se torna menos preconceituosa, ou seja, é dificil para um povo de cultura católica aceitar dois caras entrando numa igreja e o padre abençoando esse "casamento" .. já ouvi alguem perguntando: e qual deles entraria de noiva? rs.. absurdo!! mas ninguem vai entrar de noivo nem muito menos de noiva numa igreja, mas é essa a visão que o povo leigo faz quando se fala do casamento gay. Pq não mencionarmos o tema de uma forma mais branda e mais juridica possível? afinal, não é um gay de noiva na igreja que almejamos, mas sim, podermos ter direitos juridicos no caso de uma morte ou separaçao...
não é a toa que políticos ignorantes que foram eleitos por um povo preconceituoso e o pior, temeroso de ver dois caras entrando numa igreja, realizando todo ritual de um casamento hetero... eu e meu parceiro, JAMAIS fariamos esse tipo de cena tragicômica...

pensar nisso faz bem e evolui...

®ËßËWÐË disse...

mas que merda esses comentarios !! só com aprovação ?? quando isso ??

por isso que eu nao gosto de postar meus comentarios em blogs viu...


desperdiçio de tempo !!!

Anônimo disse...

"não sou homofóbico, mais nao quero que minha filha veja dois homens se beijando" esse é o tipo de político esperto que leva o país pra frente!!!

Anônimo disse...

Como se fosse uma opção. Imagina o que esse "político" dirá a uma filha sua se ela um dia chegar para ele e disser que é homossexual?
Esse é o grande problema: porque um casal hetero pode se beixar e praticar atos libidinosos em qualquer lugar que é visto como legal e um casal homossexual não pode se beixar?
Isso tem um nome: preconceito! Não sei o que ele entende por ser cristão, como afirma!