Início

segunda-feira, 5 de abril de 2010

"Edição pobre do Fantástico" - Diz Netinho a entrevista ao programa global


Só pude ver a matéria de ontem do Fantástico de madrugada pois após o show levei ainda um bom tempo para chegar no hotel e conseguir me conectar à internet.
Lamentável a pobre edição que fizeram da entrevista que dei a Renata Ceribelli.
O programa desperdiçou uma bela oportunidade de aprofundar o assunto sem ser tão superficial como foi diante de tanta coisa bacana que eu falei.

Segue na íntegra tudo que falei na entrevista para Renata. Foi este o exato motivo pelo qual aceitei dar a entrevista: poder passar a minha experiência e visão sobre o assunto.

"Vivi uma experiência de relação com uma pessoa do mesmo sexo, relação essa que teve a mesma base de sustentação de qualquer outra relação: a paixão, o amor, o companheirismo e tudo o que de positivo você conseguir imaginar que pode acontecer entre duas pessoas. O fato de ter tido junto a mim uma pessoa do mesmo sexo não me modificou em nada como homem, como pai, como filho, como irmão e como amigo. Ao contrário, apenas me acrescentou. Me mostrou que o amor tem uma dimensão muito maior do que a que eu imaginava. Me mostrou que o amor está acima de cor, raça, idade, condição financeira, sexo, de tudo!
Meu jeito de falar, de andar, de vestir, de pentear... nada disso foi alterado. Eu continuei a ser a mesma pessoa, prezando a minha masculinidade, gostando de fazer as mesmas coisas, tendo a mesma relação com o espelho, com o meu eu interior e com os outros.

Nunca falei em lugar algum que sou "gay" pois não gosto da conotação que esta palavra tem aqui no Brasil. E não gosto de me rotular. Em nada. Não sinto que tenho que me situar numa categoria. Hoje o meu amor, o meu desejo podem estar direcionados a uma pessoa do sexo oposto e amanhã a uma do mesmo sexo. Isso pra mim não importa desde que estas relações sejam sempre motivadas pelo amor.

Na minha opinião, a palavra "Homossexual" tomou uma conotação por demais ligada ao corpo e ao sexo. Este fato transmite uma idéia errada a quem nunca viveu esse tipo de relação. Na verdade, o que une duas pessoas do mesmo sexo numa relação é o sentimento que sentem uma pela outra. E no amor, você não escolhe, não direciona. Aquilo que todos chamamos de orientação sexual deveria ser antes chamada de orientação afetiva.

Quando você já está vivendo uma coisa intensa e ainda não conseguiu encontrar dentro de você a forma de lidar com a 'novidade', com a 'realidade', seu instinto é se esconder, preservar ainda mais a sua privacidade de forma que ninguém invada um terreno que você ainda não conhece bem para poder falar a respeito. Com o tempo você adquire a certeza de que nada mudou. Com o tempo me vi o mesmo, só que muito mais feliz, apaixonado!

Passo à minha filha, aos meus amigos, e a quem posso, através da minha profissão, a mensagem de que nada que você faz por amor é em vão. Encorajo a que as pessoas corram atrás do verdadeiro amor nas suas vidas, esteja ele onde estiver. Sinto-me um homem muito completo e realizado com as experiências que tive. Aos que neste mundo ainda não entenderam que as coisas acontecem assim, só posso lamentar e desejar que encontrem o seu verdadeiro amor pois lhes trará muita luz com respeito a este assunto e a muitos outros."


2 comentários:

darioornellas disse...

Sinceramente, se existiu algum preconceito nessa matéria foi da parte do próprio cantor Netinho. Acabei de assistir, e a reporter Renata Ceribelli, deixa o cantor totalmente a vontade para responder a pergunta na qual ela ainda enfatisa:" Como é perceber que vc está se sentindo atraido por alguém do mesmo sexo?"
Ao meu ver,quem tem problemas com esse assunto é o próprio cantor que na verdade não saiu do armário, ele apenas colocou o braço pra fora.
Sua preocupação com o que foi ao ar é tão grande que mostra de uma forma clara, que o fato de enxergarem ele como um homem 100% gay, o incomoda terrivelmente.
Em uma de suas frases ele deixa bem claro o preconceito comportamental que existe nele: "Meu jeito de falar, de andar, de vestir, de pentear... nada disso foi alterado. Eu continuei a ser a mesma pessoa, prezando a minha masculinidade, gostando de fazer as mesmas coisas, tendo a mesma relação com o espelho, com o meu eu interior e com os outros."
Entende se que, uma pessoa afeminada, com trejeitos,deixa de ser ela mesmo e mantém um outro tipo de relação com o espelho e com com seu eu interior?
O fato do programa ter "rotulado"o cantor Netinho como gay,não deteriora em nada a sua imagem, e parece ser essa a preocupação do Cantor.Então, de onde vem o preconceito, a fobia de ser visto apenas como gay? Quando o assunto nos é irrelevante,ele não ganha dimensão alguma para nós.O fato de ser Homossexual, Bissexual ou Heterossexual, de nada nos faz maior. O que talvez possa fazer a diferença, é sermos inteiro naquilo que somos, e nesse caso o cantor Netinho está sendo apenas Metade.
Dario Ornellas

darioornellas disse...

Sinceramente, se existiu algum preconceito nessa matéria foi da parte do próprio cantor Netinho. Acabei de assistir, e a reporter Renata Ceribelli, deixa o cantor totalmente a vontade para responder a pergunta na qual ela ainda enfatisa:" Como é perceber que vc está se sentindo atraido por alguém do mesmo sexo?"
Ao meu ver,quem tem problemas com esse assunto é o próprio cantor que na verdade não saiu do armário, ele apenas colocou o braço pra fora.
Sua preocupação com o que foi ao ar é tão grande que mostra de uma forma clara, que o fato de enxergarem ele como um homem 100% gay, o incomoda terrivelmente.
Em uma de suas frases ele deixa bem claro o preconceito comportamental que existe nele: "Meu jeito de falar, de andar, de vestir, de pentear... nada disso foi alterado. Eu continuei a ser a mesma pessoa, prezando a minha masculinidade, gostando de fazer as mesmas coisas, tendo a mesma relação com o espelho, com o meu eu interior e com os outros."
Entende se que, uma pessoa afeminada, com trejeitos,deixa de ser ela mesmo e mantém um outro tipo de relação com o espelho e com com seu eu interior?
O fato do programa ter "rotulado"o cantor Netinho como gay,não deteriora em nada a sua imagem, e parece ser essa a preocupação do Cantor.Então, de onde vem o preconceito, a fobia de ser visto apenas como gay? Quando o assunto nos é irrelevante,ele não ganha dimensão alguma para nós.O fato de ser Homossexual, Bissexual ou Heterossexual, de nada nos faz maior. O que talvez possa fazer a diferença, é sermos inteiro naquilo que somos, e nesse caso o cantor Netinho está sendo apenas Metade. Dario Ornellas